J.K. Rowling e a Inquisição Anticientífica

A autora Michelle Morales é uma médica anestesista dominicana que se interessou pelo feminismo quando, ao questionar a realidade material de meninas e mulheres, não encontrou palavras nem referências para se expressar. Traduzido do original publicado na Tribuna Feminista.


Quem poderia imaginar a comoção que uma mulher influente causaria ao afirmar um fato biológico que não foi refutado pela ciência e apontar a relevância do sexo para moldar a vida de cada uma das mulheres?

Feministas radicais de todo o mundo aplaudem a bravura de J. K. Rowling e que tenha as mulheres em mente, quando ela poderia facilmente ter ficado quieta. Apesar de seus milhões lhe garantirem mais oportunidades do que a maioria de nós, em vez de escolher a calma de se manter à margem das discussões, ele decidiu entrar no olho do furacão e pediu, entre outras coisas, para ouvir o que tinham a dizer as lésbicas sobre o assunto.

Vendo como esse escândalo se desenvolveu em todas as partes do mundo, é evidente que nesta última onda do movimento global pelos direitos das mulheres, a feminista deve questionar as preocupações de uma mulher vítima de gênero sobre se é prudente permitir entrada de homens que se proclamam mulheres nos abrigos, enquanto uma mídia sensacionalista dá cobertura aos agressores de Rowling e, com isso, dava a todos os que a ameaçavam a satisfação de ver que um homem pôde bater nela. A rota progressista não se concentra na proteção de espaços para as mulheres e na busca do bem-estar emocional das mulheres prejudicadas pela relação de poder entre os sexos nas esferas privadas; em vez disso, exigem que essas mulheres vítimas de violência sexista sejam menos egoístas, que superem seus traumas com os homens e que sejam tolerantes com pessoas com pênis que desejam entrar através de imposições.

Li de uma atriz de televisão chamada Jameela Jamil que desumanizar e apartar pessoas que se identificam como mulheres trans contribui para as experiências traumáticas e violentas que elas vivem. Como alguns indivíduos do sexo masculino devem ser desumanizados quando são reconhecidos pelo nome comum pelo qual são classificados para distingui-los das mulheres, que têm o nome comum de mulheres, e também para diferenciá-los dos machos de outras espécies?

Será que Jameela, e outras pessoas que pensam como ela, procuram reescrever a própria história? Não há registros de sociedades humanas em que as mulheres relegam os homens à alteridade. É exatamente o contrário: são os homens que continuam a se constituir com universalidade humana e nos delegam a alteridade. Coisificadas. Desumanizadas. É claro que, nas imagens que apóiam, as mulheres são substituídas por homens identificados como trans para deturpar nossa história e nos posicionar como mulheres opressoras. Jamil não percebe que, ao agir dessa maneira, ele deixa de fora os verdadeiros autores de violência contra mulheres e pessoas trans. Isso é puro cinismo patriarcal: passar despercebido quando você é um agressor é uma estratégia de poder e eles não enxergam o que lhes está diante do nariz.

No fim das contas, muitos caracteres são escritos nas postagens do Twitter e do Facebook para culpar as mulheres pelo que fazem os cafetões, proxenetas, homofóbicos, parceiros sexuais, depressão e outras condições mentais relacionadas à disforia de gênero. Também estamos saturados de pessoas famosas nas redes sociais que exigem que aceitemos, sob ameaças de violência, que os desejos de alguns homens em relação à sua suposta ‘identidade de gênero’ sejam mais válidos do que a realidade material de mulheres e meninas ao redor do mundo.

Infelizmente, essa atriz famosa não é a única com essa opinião. Existe um círculo progressivo que considera que centrar as mulheres e apontar a hierarquia sexual é discriminação por discurso de ódio. Eles nos classificam como discriminatórias ao argumentar, tentando impor dentro das políticas públicas que é justo fazer abstrações teóricas sobre a condição das mulheres para nos separar de nossa existência concreta, desfazer os termos que nos nomeiam e nos significam, dar pouca importância à hierarquia sexual e contestar o conhecimento científico que comprova nossa materialidade. Terrível!

É terrível que se oponham ao conhecimento verificado e, em vez disso, postulem mentiras. Como médica, sei que, para aplicar a ciência, é preciso selecionar os melhores argumentos científicos, e com isso quero dizer aqueles que podem ser evidenciados. Sabemos com certeza que o sexo biológico é real, porque podemos observá-lo e verificá-lo. Aqueles que argumentam a favor da chamada ‘identidade de gênero’ podem fazer o mesmo?

Neste momento da história, essas pessoas mencionam a palavra “intersexualidade” para nós. As diferenças no desenvolvimento do sexo biológico, uma condição que afeta uma pequena porcentagem de pessoas, não refutam a existência do sexo biológico. Pelo contrário, diferentemente da ‘identidade de gênero’, pode-se observar através da avaliação física e de diferentes análises, pois sua determinação é clínica e genética. Comprovável.

Por outro lado, a identidade de gênero supostamente responde a um sentimento.

Quando a comunidade científica à qual eu pertenço atribuiu injustamente o trabalho da geneticista americana Nettie Stevens a um homem, eles tiveram que retificar, porque, comparando suas observações com as do homem, foi demonstrado que a qualidade da pesquisa dela foi mais robusta, com uma grande quantidade de informações experimentais, trabalhada em detalhes e meticulosamente.

Suas contribuições para a ciência foram consolidadas porque fatos observacionais corroboram sua hipótese. Em suas experiências, a geneticista Nettie Stevens observou e comparou células somáticas na mitose de indivíduos machos e fêmeas de larvas de farinha. Ela descobriu que as fêmeas tinham 10 pares de cromossomos iguais, enquanto os homens tinham 8 pares idênticos e um par assimétrico; ela também descobriu que isso era algo que acontecia em todos os machos e que as fêmeas não forneciam esse pequeno cromossomo. Isso que acabei de descrever é como se chegou à conclusão que esse era o fator determinante do sexo, no nível cromossômico.

Antes da descoberta do cromossomo Y, já havia um debate aberto sobre se o sexo biológico era determinado por fatores ambientais, herança ou exclusivamente pela mãe. Os comentários de Nettie Stevens encerraram esse debate, mas hoje os grupos de pressão política estão tentando voltar no tempo e insistir nas especulações do século XIX para dizer que o sexo é influenciado por fatores socioculturais e de autopercepção.

Em sua ânsia, eles continuam a retroceder ao próprio obscurantismo quando citam a americana Anne Fausto-Sterling, a inventora desses cinco sexos, sem sequer reconhecer que as intenções da bióloga eram irônicas. Ela zombou da linguagem médica depreciativa que era aplicada às pessoas com distúrbios de desenvolvimento sexual nos anos noventa e, em uma declaração divulgada pelo Twitter em fevereiro de 2020, lavou as próprias mãos dizendo que não era responsável pelo fato de que os professores das universidades do norte global não tenham dado aulas de retórica a estudantes universitários, cientistas e juízes, que não detectaram a ironia de sua abordagem.

Os defensores das políticas públicas de ‘identidade de gênero’ se aprofundam no obscurantismo quando pressionam para impedir a realização de pesquisas científicas sobre as repercussões que a terapia com bloqueadores da puberdade e hormônios sexuais cruzados poderia ter em crianças. Ao impedir, também por meio de intimidação e ameaças, o estudo dos fatores que levaram à não-transição das pessoas diagnosticadas com disforia de gênero, uma vez que não há bibliografia suficiente sobre o assunto.

Do que eles têm medo? O lógico é que tanto os profissionais de saúde quanto os usuários do sistema de saúde considerem essas iniciativas de pesquisa um benefício. Quanto mais pesquisas, mais evidências e segurança nos cuidados com as pessoas, como deveria ser na prática médica ética, melhor!

Setores progressistas que defendem o uso de bloqueadores de puberdade em menores de idade três consultas (ou menos) após o diagnóstico de disforia de gênero, estão incentivando a experimentação humana com indivíduos vulneráveis. Os profissionais de saúde que trabalham com crianças e adolescentes que discordam de seu sexo o fazem no escuro, porque não há evidências científicas para apoiar o uso de drogas fortes em doses industriais com meninos e meninas fisicamente saudáveis.

Meninos e meninas chamados de ‘trans’ e abusadores sexuais são os únicos indivíduos para quem, sem condição física ou patológica, a administração de drogas análogas ao hormônio liberador da gonadotropina — ou, como comumente se os conhece, bloqueadores de puberdade — procura justificar-se: o último, com a intenção de condená-los à castração química.

‘Medicina de gênero’ é um dos poucos ramos que realizam sua prática sem evidência explícita, porque carece de precedente e a única bibliografia disponível é a da puberdade precoce, que é extrapolada para casos de disforia de gênero. Por sua vez, essa prática não saudável é apoiada por ativistas que pressionam e intimidam em um esforço para interromper a pesquisa científica e censurar os profissionais de saúde, preocupados com a falta de informações experimentais e com a saúde mental, óssea e cerebral das crianças que estão sendo usadas como cobaias para promover os interesses dos adultos.

Existem estudos de melhor qualidade que sugerem a chamada “espera vigilante” como a melhor alternativa para a medicalização da infância saudável. Esses estudos mostram que aproximadamente 80% das crianças com essa agonia psíquica se recuperam dessa inquietação quando chegam à adolescência.

Como esses profissionais de saúde podem tomar decisões criteriosas sem ter evidências que confirmem a segurança do tratamento? Você já foi questionado por aqueles que seguravam os cartazes que diziam “Protejam as Crianças Trans”? De quê e quem as protegem? De mães, pais, feministas, pessoal de saúde, comunidade científica e cidadãos comuns que questionam a medicalização da vida de crianças sem patologias básicas e sem evidências científicas suficientes para justificar sua hominização?

Quão racional é interpretar como discurso de ódio a preocupação que parentes próximos, ativistas de direitos humanos e pessoas comprometidas com a ciência expressam sobre o assunto?

Validar a ‘identidade de gênero’ é um voto de fé, não uma confirmação científica. Como validar legalmente algo prejudicial à saúde (especialmente à infância) e injusto para as mulheres, porque as deixa desprotegidas perante a lei e submissas ao sexismo?

Gênero não é uma identidade, é uma hierarquia. O gênero nos mostra o privilégio dos homens terem a liberdade de fazer a transição para os estereótipos femininos, quando sabemos muito bem que, tanto no passado quanto no presente, as mulheres devem se esconder em camuflagens masculinas para poder acessar oportunidades para seu desenvolvimento individual, atender às suas necessidades básicas e obter avaliação justa de suas habilidades e talentos, porque são negados ou dificultados por lei, tradição ou preconceito. Caso contrário, olhe para as garotas de Bacha Posh no Afeganistão e no Paquistão, ou na Inglaterra da própria J.K. Rowling.

Não me conformo com uma construção das mulheres que as torna alheias do próprio sexo. Sob essa construção patriarcal, de uma realidade material, nós mulheres somos reduzidos a uma interpretação falsificada. O próprio sexismo não está mais exposto, pois não é mais possível falar de uma opressão que afeta direta e especificamente nossa classe sexual, porque essa realidade será removida na representação que os homens fazem de nós.

As pessoas que dizem que trans que se identificam como mulheres são mais mulheres do que mulheres não estão mais procurando por mulheres no passado ou em lugares remotos, porque o que foi criado pela mente e produzido nas salas de cirurgia se tornou realidade para elas. As pessoas que dizem que os homens também menstruam, párem e têm uma vagina estão apagando as mulheres de suas próprias histórias, lutas e negando suas experiências inerentes a seus corpos, porque uma experiência universal é mitologizada.

Quando a imagem de que as opressões das mulheres afetam os homens da mesma maneira é encorajada, os traços de violência masculina e hierarquia entre os sexos são invisíveis. Quem será o sujeito do feminismo se, de acordo com o neoliberalismo e o pós-modernismo, mulheres e homens estiverem no mesmo nível da pirâmide? Pelo que lutaríamos?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.