Prestes a virar o jogo: um manifesto radical

A revolução das mulheres é inevitável. Libertar-se da dominação masculina é por vezes visto como algo utópico, uma impossibilidade essencialmente vinculada à nossa condição material e biológica de gestadoras da humanidade, mesmo por algumas daquelas que anseiam muito essa liberdade. Mas, como dizia Shulamith Firestone em 1970, a situação atual exige essa revolução, e as pré-condições necessárias para que essa revolução aconteça já existem em alguns lugares. É apenas uma questão de tempo para tal, e depende fundamentalmente de as mulheres não cederem os espaços que com tanta dificuldade conquistaram. Exige, portanto, um tratamento radical. Os homens (que podem parecer, mas não são de todo ignorantes) sabem disso e é por isso mesmo que estão tão empenhados na busca por substitutxs.

Audre Lorde

As evidências dessa busca estão em todos os lugares. Uma vez que a revolução feminista já começou, está acontecendo, é contagiosa e pode em breve se concretizar, os homens buscam já há muito alternativas à mulheridade. Essa busca é por alternativas a habilidades que só as mulheres possuem e pode ser observada através de alguns exemplos: na industrialização e substituição do leite materno por fórmulas, que em 1977 provocou protestos em todo o mundo contra a Nestlé, quando crianças de países subdesenvolvidos sofreram as consequências da falta de nutrientes e da irresponsabilidade dos industriais que jogaram no mercado esses produtos sem fazer testes exaustivos; nas pesquisas em reprodução humana, algumas visando realizar transplantes de útero em indivíduos do sexo masculino, ou até mesmo a busca da gestação completa fora do órgão materno, em um mundo superpovoado e repleto de crises migratórias onde “falta de gente” não é um problema; na indústria da beleza, que utiliza corpos de mulheres como cobaias de suas aberrações cirúrgicas e de seus produtos desnecessários, e busca conformar seus corpos a um padrão irreal; nos testes antiéticos para o desenvolvimento e a recomendação irresponsável do uso de pílulas anticoncepcionais a mulheres jovens; na medicalização da infelicidade de pessoas a respeito dos papéis sociais, expectativas e estereótipos atribuídos a si em virtude de sua condição sexual… A lista é imensa.

Hoje, a principal força da dominação masculina diretamente envolvida nessa busca de alternativas ao corpo fêmea é provavelmente a ciência médica. Estabelecida e formalizada a partir do sequestro dos saberes populares que ficou conhecido como “caça às bruxas”, é de certo um dos pontapés fundamentais do início da chamada Era Moderna, período histórico onde alguns dos grilhões mais pesados do patriarcado tiveram reforço. Ela não atua sozinha, porém. Necessita de um grande aparato ideológico/epistemológico, infiltrado em movimentos sociais legítimos, para fazer suas ideias passarem. Apesar de ainda estarmos nas bordas do oceano cósmico em termos de saber científico e não termos como prever as implicações a longo prazo dessas intervenções todas, pessoas desinformadas ou deliberadamente instrumentalizadas em favor da construção dessa “mulher ideal” — em oposição a mulheres reais, vivas, sencientes e conscientes — estão propagando um duplipensar, onde ideias opostas ao feminismo são tidas como feministas. A alternativa à mulheridade se desenvolve, portanto, em um cenário onde a verdade já não importa, e o que vale é uma crença em uma verdade alternativa.

Uma das forças ideológicas empenhadas nessa desconstrução — literal e simbólica — da mulher, é a prostituição da sexualidade. Ao mesmo tempo em que ideias anti-feministas buscam tirar o sexo do centro da análise feminista, há a tentativa de convencer mulheres de que as fantasias masculinas de dominação são a única alternativa existente à sexualidade, e que todas as suas manifestações seriam legítimas. O “espaço para negociação” aí existente, defendido por alguns teóricos da sexualidade — comprometidos conscientemente ou não com a exploração das mulheres —, busca nominalmente romper com as regras ao mesmo tempo em que cria uma série de regulações que mantém as estruturas exatamente onde elas já estão. Isso fica evidente não apenas na prostituição propriamente dita, mas também na pornografia mainstream e sua “guinada à esquisitice” nas últimas décadas, com a expansão da internet e a exaustão da pulsão sexual viciada sempre em busca de novidades.

Existem pelo menos dois argumentos que buscam sustentar a separação da sexualidade em um reino específico das práticas humanas, que se pretende libertador, mas esquece que essa “liberdade” se dá na exploração das mulheres. Um deles é o de que “a pornografia existe desde tempos imemoriais” — o que, segundo esses ideólogos, estaria evidente nos mitos gregos e japoneses, nos grafites da Roma Antiga, e nas ilustrações e representações de “atos sexuais” ao longo dos tempos. Esse argumento ignora que tanto os exemplos utilizados se dão em contextos onde a dominação masculina foi ainda mais forte do que é hoje nesses mesmos territórios geográficos, e também que a pornografia hoje, inserida na lógica capitalista de produção, é ordens de magnitude diferente desses exemplos; portanto, comparações bastante longe de fazerem sentido. O segundo dos argumentos utilizados para essa normatização da sexualidade é o de que “prostitutas têm a profissão mais antiga do mundo”, se fundamentando nas chamadas prostitutas sagradas, ignorando todo o período anterior ao estabelecimento do patriarcado e fazendo uso de uma comparação errônea do modo como se davam os cultos e seus significados nos mais variados tipos de religiões da Antiguidade, e que essas religiões sofreram mutações influenciadas pela progressiva dominação masculina. Esse argumento falha em ver a prostituição como inerente ao militarismo que tornou possível essa dominação, e se faz de cego frente a uma divisão das mulheres em classes úteis ao patriarcado: a dicotomia santa x puta.

Frente a todos esses fatos e contextos, como construir uma revolução de mulheres?

O feminismo, como campo de conhecimento e movimento social, já possui alguma das bases teóricas e estratégicas para virar o jogo. Uma vez que muito desse trabalho já foi feito, não precisamos reinventar a roda: nos resta respeitar o legado das feministas que vieram antes de nós e estudar os seus tão preciosos insights. O feminismo não é qualquer coisa que uma mulher queira, seja ela uma mulher específica ou pertencente a um determinado grupo. Estamos dando continuidade a um trabalho que já começou, não precisamos reconstruir o movimento do zero toda vez que uma crise nova se abate sobre ele, e essa busca por uma “mulher alternativa” ainda mais submissa do que qualquer mulher é capaz de ser é um resultado da eficiência de nossa militância. O feminismo não sai da cabeça de uma única mulher, mas deve ser uma construção coletiva com objetivos universalistas: as nossas demandas precisam atender a todas as mulheres, principalmente no que diz respeito à sua situação enquanto mulheres. Existir em um mundo organizado pela dominação masculina em um corpo fêmea é qualitativamente diferente de habitá-lo em um corpo macho. As forças que buscam nos dominar o sabem muito bem, e é importante que nós também saibamos.

Não compactuar com os valores e instituições que reforçam essa dominação, e parar de canalizar nossas energias nos homens e nos seus objetivos para nos centrarmos nas mulheres é essencial para evitarmos a instrumentalização do movimento. Não se faz isso mergulhada em ignorância, atemorizada pelo medo de pensar ou questionar ideais anti-feministas que venham disfarçados em pele de cordeiro. É preciso uma militância baseada em objetivos, que se foque tanto na conscientização de suas membras quanto nos objetivos comuns das mulheres. Isso começa somente quando reconhecemos nas nossas iguais as nossas lutas e dificuldades conjuntas, e compartilhamos forças na construção de uma utopia feminista.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.