Tag Archives: trans

O mais íntimo dos espaços das mulheres — seus corpos

Jeffreys, Sheila. Gender Hurts: a feminist analysis of the politics of transgenderism. Abingdon, Oxon: Routledge, 2014. Traduzido com permissão da autora.

O mais importante espaço para as mulheres são seus corpos. A invasão masculina e a ocupação dos corpos das mulheres foram identificadas pelas feministas como o fundamento da subordinação das mulheres. Os homens têm, historicamente, vendido e trocado mulheres como propriedades no casamento e na prostituição de modo que seus corpos possam ser usados para sexo e reprodução (Lerner, 1987). A tentativa de tirar o controle de seus corpos por parte de homens individualmente e por parte de leis patriarcais e instituições têm sido talvez o mais importante ímpeto subjacente para a atividade feminista, porque sem esse controle mulheres não têm chance alguma de acessar qualquer outra forma de liberdade. O aborto tem sido a chave do ativismo feminista, de modo que uma mulher que não consegue controlar sua reprodução se torna um mero veículo aos propósitos alheios. Similarmente, o direito de uma mulher de definir sua própria sexualidade, de apenas ela mesma selecionar parceiros sexuais, de escolher o celibato, ou de escolher se relacionar sexualmente com pessoas cuidadosamente escolhidas, tem sido entendido como algo central ao direito das mulheres à autonomia. Talvez não seja surpreendente, então, que transgêneros de constituição masculina, alinhados à geração de homens que tem buscado controlar os corpos das mulheres, considerem que este seja um espaço importante de se ocupar.

O direito à autonomia sexual das mulheres é diretamente contraditório às tentativas de alguns ativistas transgêneros de forçar mulheres a disponibilizarem suas vaginas para uso sexual dos pênis desses homens. Em um extraordinário exemplo do que a cientista política Carole Pateman chama de direito masculino de acesso, alguns ativistas transgêneros estão agora procurando instilar culpa em lésbicas de modo a permitir acesso de pênis em seus corpos (Pateman, 1988). Isso está ocorrendo através de uma campanha para destruir o que esses ativistas transgêneros chamam de “teto de algodão” [no original, “cotton ceiling”], um termo que é baseado no entendimento feminista de que mulheres na vida pública encaram um “teto de vidro” que proíbe seu acesso aos santuários masculinos. O “teto de algodão”, um termo inventado pelo ator pornô transgênero Drew Deveaux, abrange as calcinhas das mulheres, que criam uma barreira contra a penetração por parte de pênis de transgêneros de constituição física masculina (Garmon, 2012). A idéia de que a relutância das mulheres e das lésbicas em servir estes pênis é um problema a ser abordado seriamente e superado conseguiu tanta aceitabilidade que a organização de caráter masculinista Planned Parenthood ajudou a fazer um workshop sobre o “teto de algodão” em sua conferência em Toronto chamada “Prazeres e Possibilidades” em 2011. Esse workshop era exclusivo para transgêneros de constituição física masculina, um espaço do qual as mulheres eram excluídas, e no qual esses homens poderiam discutir táticas para acessar os corpos das lésbicas ou de mulheres em geral que forem resistentes aos seus encantos (Planned Parenthood, 2011).

O workshop foi chamado de “Superando o Teto de Algodão: Quebrando as Barreiras Sexuais para Mulheres Trans Queer”, e era conduzido pelo ativista transgênero Morgan Page (Page, 2011). A descrição do workshop diz:

[O workshop] “Superando o Teto de Algodão” vai explorar as barreiras que as mulheres trans queer encaram dentro das amplas comunidades queer de mulheres através de discussões em grupo e da criação de representações visuais práticas dessas barreiras. Os participantes trabalharão juntos para identificar barreiras, traçar estratégias para superá-las e construir uma comunidade. (Page, 2011)

A campanha se baseia em instilar culpa, de modo que as mulheres são acusadas de “transfobia” ou “transmisoginia” em uma tentativa de induzi-las a admitir pênis não-desejados em seus corpos. Na campanha do teto de algodão, o direito à autonomia sexual das mulheres é redefinido como uma forma de discriminação contra pessoas de constituição física masculina, a qual deve se fazer oposição zelosa. Os transgêneros de constituição física masculina que fazem campanha para conseguir acesso aos corpos das mulheres desse modo chamam seus pênis de “lady sticks” [varinha de mulher[. A origem desse termo é um tanto informativa: É comumente usado em pornografia transgênera, onde homens com pênis são prostituídos para o prazer sexual de consumidores homens. Um site pornô transgênero, Shemale Models Tube, assim descreveu um dos transgêneros de constituição física masculina em um vídeo pornô: “Senhora Meat é uma garota safada que ama ter seu lady stick chupado o dia todo” (Shemale Models Tube, n.d.). É, portanto, irracional esperar que lésbicas e feministas suspendam sua descrença de modo a facilitar as vidas de fantasias sexuais desses homens com pênis. As demandas básicas das mulheres de terem o direito de definir suas próprias sexualidades e de escolher a quem vão amar são muito importantes.


Referências
LERNER, Gerda. The Creation of Patriarchy. Nova York: Oxford University Press, 1987.
PARTEMAN, Carole. The Sexual Contract. Cambridge, UK: Polity Press, 1988.
GARMON, Savannah. Requiem for a dialogue. 27 de janeiro de 2012. Disponível em: link — Acesso em 25 de julho de 2012.
PLANNED PARENTHOOD. Pleasures and Possibilities. 2011. Disponível em: link — Acesso em 25 de julho de 2012.
PAGE, Morgan. Overcoming the Cotton Ceiling. 2011. Disponível em: link — Acesso em: 25 de julho de 2012.
SHEMALE MODELS TUBE. Thick Black T-Girl. Sem data. Disponível em: link — Acesso em 17 de março de 2013.

A verdade e a mentira

Traduzido com permissão da autora. Original em: Anntagonist

Recentemente, uma mulher na faculdade de artes associada à minha universidade se graduou com honras de primeira classe. A peça que ela apresentou no fim da apresentação dos graduandos incluía um vídeo que ela fez de si mesma se masturbando e várias fotografias ampliadas dela vestida com apetrechos de bondage fazendo atividades “femininas” cotidianas, como ler uma revista no sofá ou encher de roupa uma máquina de lavar. Eu poderia postar uma das fotos aqui mas nãao vejo nada nelas além de pornografia quando as olho, então não vou. Dois irmãos também ganharam honras de primeira classe com sua própria apresentação pornográfica. Sua exibição incluía sextoys transformados em instrumentos de tortura (imagine cabos de facas sendo substituídos por butt plugs e dildos transformados em nunchakus) e uma peça que foi supostamente retirada pelos organizadores da apresentação por violar normas de saúde e segurança.

Quase todos os grupos no Reino Unido dedicados a aumentar a conscientização e levar a violência contra mulheres a um fim concordam quanto aos males da pornografia. O Women’s Support Project descreve a pornografia como “uma forma de exploração sexual comercial e parte de um espectro de violência baseada gênero”. O Crown Prosecution Service inclui a pornografia numa lista de formas reconhecidas de violência contra mulheres e meninas. Não preciso ficar argumentando sobre o porquê de a pornografia ser violência contra mulheres nesse blog. Qualquer dissidente pode muito bem googlar informação, e pra facilitar as coisas pra você, te aponto na direção da Gail Dines e da Julia Long. Achei muito perturbador que minha universidade não apenas deu palco para pornógrafos mas também os recompensaou com a mais alta das distinções acadêmicas. Pornografia virou arte só porque os pornógrafos disseram que era?

Essa situação toda me fez querer consultar o Decreto de Direitos Civis da Dworkin e da MacKinnon novamente porque ele é lindamente sucinto. A definição comum de pornografia é comumente simplificada e sanitizada, algo como “imagens ou vídeos de pessoas fazendo sexo”. Dworkin e MacKinnon definem como “a subordinação sexual gráfica explícita de mulheres através de imagens ou palavras, incluindo mídia eletrônica ou outras formas de armazenamento”. Elas continuam o texto especificando atos de subordinação que incluem “a mostra de partes do corpo de mulheres, incluindo mas não se limitando a, seios, vaginas ou ânus, de modo que essas mulheres são reduzidas a estas partes”. Materiais onde mulheres são mostradas como “objetos desumanizados, coisas ou mercadorias”, ou “objetos sexuais que apreciam humilhação ou dor” também são classificados como pornografia no Decreto Antipornografia de Direitos Civis.

Isso me fez pensar em algumas coisas que se encaixam na categoria de pornografia se deconsiderarmos a parte “através de imagens ou palavras” do documento da Dworkin e da MacKinnon. A coisa recorrente pra mim é o conceito de transexualismo. Mais especificamente, homens que afirmam estarem presos no corpo errado e dizem que precisam de cirurgias para se sentir felizes consigo mesmos.

A idéia de que homens se tornam mulheres simplesmente vestindo roupas e atuando é ofensiva e danosa a mulheres da mesma forma que a pornografia o é. Transexuais homens que viram mulher se tornam mulheres primeiramente comecando a se vestir de uma maneira mais feminina e pedindo às pessoas que os tratem por pronomes femininos ou masculinos. Onde têm acesso, eles procuram tratamento hormonal que tem o efeito de feminizar suas características sexuais secundárias. Tecidos mamários vão começar a crescer; a gordura de seu corpo vai começar a ser redistribuída e seu corpo vai ficar mais curvilíneo como o de uma mulher; e sua pele vai afinar e se tornar mais macia.

Por si mesmo, isso é pornográfico. Mulheres são seres humanos. A função biológica dos nossos seios é alimentar nossas crianças. Mulheres não evoluíram para ter seios e assim nos tornarmos distintas dos (ou atrativas para) machos da espécie humana. Simplesmente pegar um homem e botar um par de seios nele não o torna uma mulher, e transexuais sabem que esse não é o único passo a ser dar. Alguns deles fazem o que é conhecido como cirurgia de feminização facial, que pode incluir alguns ou todos os procedimentos a seguir: rinoplastia, implante de bochechas, elevação da sobrancelha, aumento dos lábios, e redução da mandíbula.

O estágio final do processo de transição de transexuais homens que viram mulheres é o que é eufemisticamente conhecido como “cirurgia da parte de baixo”. Esse é o objetivo e é quando ele se torna uma mulher “de verdade”. O termo largamente aceito hoje em dia varia, mas é referida pelos nomes de cirurgia de redesignação sexual, cirurgia de redesignação de gênero, cirurgia de confirmação de gênero, e em relação a homens que viram mulheres especificamente, vaginoplastia. A cirurgia envolve remoção do tecido erétil do pênis para se fazer uma “área vestibular” e algo parecido com os pequenos lábios. A pele do pênis é desvirada e inserida numa cavidade cirurgicamente criada na área pélvica. Parte da glande do pênis, com os nervos ainda ligados nela, são mantidos e usados para formar o que supostamente nós deveríamos chamar de clitóris, e a uretra é encurtada pra terminar mais ou menos onde a uretra de uma mulher terminaria. De acordo com a Dickipedia, o propósito dessa cirurgia é “remodelar os genitais masculinos de forma que tenham a aparência de, e se possível, a função de uma genitália feminina”.

Se você clicar no link “genitália feminina” ele vai te levar adivinha onde? Ao sistema reprodutor feminino. Note que a vagina é apenas uma parte de todo um conjunto de órgãos que compõem o sistema reprodutor feminino. Todas essas partes dependem uma da outra para funcionar do melhor modo. Os ovários são os órgãos que produzem os óvulos. Essa é sua função. São conectados ao útero, que é o maior órgão sexual do sistema reprodutor feminino, através de ovidutos conhecidos como tubas de Falópio. A função do útero é acolher o óvulo fertilizado. Ele é conectado à vagina, que a Dickipedia diz que tem duas funções primárias: intercurso sexual e parto.

A cirurgia de redesignação de sexo não pode fazer transplante de útero e ovários. No livro “The Whole Woman”, Germaine Greer sugere que

Governos que têm poucas mulheres se apressaram a reconhecer como mulheres homens que acreditam que são mulheres e que se castraram para provar isso, porque não vêem mulheres como um outro sexo, mas como um não-sexo. Nenhum procedimento chamado de mudança de sexo jamais requereu um transplante de útero e ovários; se transplantes de útero e ovários fossem obrigatórios a estes aspirantes a mulheres ele desapareceriam do dia pra noite. A insistência de que homens transformados em mulheres sejam aceitos como mulheres é a aceitação institucional da convicção errônea de que mulheres são homens incompletos.

A cirurgia de mudança de sexo pode apenas tentar replicar a forma de um dos órgãos sexuais feminos: a vagina. E como não há transplante de útero e ovários, ela só consegue replicar uma das funções da vagina: o intercurso sexual. A nova vagina não é mais que um buraco para meter. Existe somente para ser penetrada. De fato, a nova “mulher” deve penetrar sua cavidade cirurgicamente criada todos os dias se não quer que ela feche. A criaçãao do buraco de meter requer um monte de cuidados pós-operatórios. Por volta do terceiro dia depois da cirurgia, esse processo de dilatação tem que começar. E ele vai continuar pelo resto da vida do paciente. Se a pessoa não se empenha nessa rotina de dilatação, há o risco de a nova vagina fechar devido à tentativa dos músculos pélvicos de se restaurarem. E também, é repugnante, a nova vagina junta rugas quando não dilatada. Se se demora muito entre as sessões de penetração, as rugas começam a se colar e cicatrizar, estreitando a largura e o comprimento do canal vaginal. En torno de quatro semanas depois da cirurgia, a nova mulher é aconselhada a fazer lavagens internas com folha de hibisco depois de cada sessão de dilatação e toda vez que sentar no vaso sanitário.

Tudo isso apenas para que eles possam ter algo que parece um pouquinho com uma vulva e serve ao propósito de se manter intercursos sexuais. Uma mulher de verdade geralmente precisa fazer muito pouco para cuidar de sua vagina. Claro, ela vai lavar os lábios com água e sabão, mas o canal vaginal é auto limpante. Uma vagina real não termina abruptamente onde a escavação cirúrgica é considerada completa; uma vagina real é conectada ao útero pelo colo do útero. Este por sua vez é capaz de se dilatar para permitir a passagem da cabeça do bebê.

Se o ato de escavar um buraco no assoalho pélvico, virar um pênis do avesso, chamar isso de vagina e o portador disso de mulher não é representar as mulheres como coisas desumanizadas, objetos ou mercadorias, então eu não sei o que é. Isso coloca a mulheridade como algo que se pode comprar. Algo que, com similares das partes certas, qualquer homem pode ser.

Credita-se a John Stoltenberg a famosa frase “A pornografia diz mentiras sobre as mulheres. Mas a pornografia diz a verdade sobre os homens”. A pornografia nos diz o que mulheres são, como Robert Jensen nos diz, “três buracos e duas mãos”. Ela nos diz que mulheres são receptivas à dor e degradação e até gostam disso. Ela também diz que os homens nos odeiam. Ela nos diz que eles querem meter em cada orifício do nosso corpo. Que eles querem nos humilhar e nos torturar. Querem nos possuir, nos vender, nos trocar, e nos partilhar entre seus amigos.

Transexualismo não é muito diferente. O Transexualismo reforça a noção de que mulheres existem para serem penetradas e que a habilidade de ser penetrada é uma parte integral e definidora da mulheridade. É literalmente pornografia em quatro dimensões.

O transexualismo conta mentiras sobre as mulheres. Mas ele diz a verdade sobre os homens. O transexualismo nos diz que mulheres são nada menos que homens castrados. Ele diz que “mulheres” passam por cenários de dor e humilhação de modo a torná-las penetráveis. Sobre os homens, ele diz que eles não podem ser satisfeitos apenas nos fodendo. Pra nos consumir completamente, é preciso que eles se tornem mulheres e nos digam o que nós somos.


*Estou usando o termo transexual/ismo aqui pra me referenciar não à galera do gender-bending uau-olha-só-meu-pau-feminino, mas a homens que dizem que nasceram no corpo físico errado e vão atrás de mudá-lo através de cirurgia e terapia de reposição hormonal. Trangeneridade é um conceito que afeta mulheres de formas diferentes — algo que planejo discutir futuramente.