Da prática à teoria, ou: O que exatamente é uma “mulher branca”? [Resumo]

No feminismo, a prática (vivência social) vem antes da teoria, e a teoria precisa ser construída a partir da prática. No caso das mulheres, não dá pra partir de uma teoria da igualdade porque as que existem são feitas por homens e vêm das práticas de resistência deles. O problema é que homens nunca estiveram sob o mesmo contexto de dominação com base nas suas capacidades reprodutivas que as mulheres vivem.

Catharine MacKinnon

Falar que uma mulher foi tratada “como mulher” é fazer uma afirmação empírica a respeito da realidade. E levando em conta a forma como somente mulheres são tratadas sob a dominação dos homens, socialmente institucionalizada, isso inclui uma série de outras coisas. Ser tratada “como mulher” está longe de indicar uma visão universal da condição das mulheres, mas sim se refere às desvantagens que as mulheres têm pela forma como o sexo feminino é valorado socialmente.

“Como mulher” não significa a incorporação de uma experiência coletiva; não significa que todas as mulheres têm experiências iguais. Pensar na situação das mulheres exige formas diferentes de se pensar teoria e prática. Algumas feministas pensaram a condição das mulheres em termos de inevitabilidade biológica (Brownmiller e Beauvoir) em função de como funciona a reprodução e a vulnerabilidade das mulheres ao estupro. Falta apontar a dominação dos homens propriamente dita. É a exploração da reprodução que causa problemas às mulheres, não a reprodução propriamente dita. Isso diz respeito a todas as mulheres de todas as raças e etnias vivendo sob dominação, então não faz sentido dizer que se trata de um tipo de feminismo universalizante.

As críticas ao feminismo, de que ele falha em fazer os “recortes” de classe e raça, geralmente assumem “classe” e “raça” como abstrações prontas, sem discutir do que se tratam e fazendo uso dessas categorias apenas pra bater no feminismo. “Mulher branca”, em algumas críticas do tipo, é uma mulher que não passa os perrengues da dominação (não de verdade): ela não trabalha, não é estuprada, não é explorada, não apanha etc. Ela é a imagem que os homens branco e negro têm dela: fútil, privilegiada, autoindulgente e protegida, oprimida por seus privilégios, que acha que precisa de libertação.

O problema é que a realidade das mulheres brancas está longe de ser essa abstração fantasiosa. O mito de que os homens protegem as mulheres brancas serve à manutenção do racismo e à dominação masculina. A pele branca não protege as mulheres da brutalidade de homem nenhum: assumir que as brancas são privilegiadas num contexto de dominação sexual é assumir que não existe dominação dos homens, porque ela pode ser “cancelada” de alguma forma. As mulheres negras estão mais sujeitas a violação, mas tanto negras quanto brancas estão nessa posição de sujeição. Ser “menos estuprada” não esconde o fato de que ambas o são por serem mulheres e tratadas enquanto tal. Não significa dizer que a raça é irrelevante, mas que o sexo (e a dominação baseada nele) é uma experiência de todas as mulheres.

A pornografia é um exemplo bem ilustrativo de como essa dimensão do sexo afeta mulheres de todas as etnias e raças. O tratamento horrendo destinado às mulheres brancas ali — entre tantos tropos do tipo, como as “hot mommas latinas” ou as “asiáticas passivas” — é o melhor possível que uma mulher pode obter. Cada mulher na pornografia abrange um conjunto de particularidades, mas cada uma dessas experiências significa o que é ser mulher na pornografia. Não existe uma categoria padrão de mulheres: até mesmo “brancas” são marcadas como uma preferência sexual.

A crítica às abordagens que vêem a opressão das mulheres “como mulheres” exige que as mulheres se des-identifiquem de sua condição de mulher. O ponto é que as pessoas preferem fazer parte de qualquer outro grupo que possa incluir homens do que ser “apenas mulher”, um grupo que significa o resumo da noção de opressão. Se uma opressão também é aplicada a homens, ela tem mais chances de ser reconhecida enquanto tal, e não algo aplicado a um grupo subhumano. Se inclui homens, está dentro dos padrões de humanidade; as mulheres são apenas mulheres. A mulher branca não partilha nenhuma opressão com homens, então não é oprimida.

Quando se cria teoria a partir da prática, esse problema de se deparar com abstrações limitantes deixa de existir. A assunção de que todas as mulheres são iguais vem do mesmo sexismo que o feminismo visa combater. Teóricos que falham em identificar isso precisam mudar sua forma de pensar teoria para além dos formatos da dominação masculina. A base sexual da opressão que as mulheres sofrem vem da prática, e não de um constructo abstrato ou de uma “essência” partilhada por elas.


MACKINNON, Catharine. “From Practice to Theory, or What is a White Woman Anyway?” 4 Yale J. L. & Feminism. 1991. Disponível em: <link> — Acesso em 12 de outubro de 2019.