A interdependência entre militarismo e prostituição

Traduzido de: GERLICH, Renee. “Conquest: on the inseparability of militarism and prostitution“. In. GERLICH, Renee. Writing by Renee — trigger warning: feminism and women’s rights. 20 de dezembro de 2018.


Desde que os homens começaram a se envolver com guerra, eles têm sequestrado mulheres e crianças para a escravidão sexual. De acordo com o historiadora Gerda Lerner, a conquista militar levou à escravidão e ao abuso sexual de mulheres e crianças capturadas no terceiro milênio antes da era comum. Em The Creation of Patriarchy, Lerner escreve:

Conforme a escravidão se tornou uma instituição estabelecida, donos de escravos alugavam suas escravas mulheres como prostitutas, e alguns senhores estabeleceram bordéis comerciais geridos por escravos. A pronta disponibilidade das mulheres capturadas para uso sexual particular e a necessidade de reis e chefes, frequentemente eles mesmos usurpadores da autoridade, estabelecerem sua legitimidade através da exibição de sua riqueza na forma de servas e concubinas levou ao estabelecimento dos haréns.

Os primeiros códigos legais encorajavam essa prática — como essa passagem do Velho Testamento (Deuteronômio 21:10-15):

Quando saíres à peleja contra os teus inimigos, e o Senhor teu Deus os entregar nas tuas mãos, e tu deles levares prisioneiros, e tu entre os presos vires uma mulher formosa à vista, e a cobiçares, e a tomares por mulher, então a trarás para a tua casa; e ela rapará a cabeça e cortará as suas unhas. E despirá o vestido do seu cativeiro, e se assentará na tua casa, e chorará a seu pai e a sua mãe um mês inteiro; e depois chegarás a ela, e tu serás seu marido e ela tua mulher. E será que, se te não contentares dela, a deixarás ir à sua vontade; mas de modo algum a venderás por dinheiro, nem a tratarás como escrava, pois a tens humilhado.

Ainda hoje, onde houver militarismo, haverá prostituição. Na ocupação de Papua do Leste foi reportado tráfico sexual no entorno das minas — como Freeport, a maior mina de ouro do mundo — sob a guarda do exército da Indonésia. A prostituição é abastecida pelas assim chamadas “tropas de manutenção de paz”: relatórios recentes de Rohingya mostram o envolvimento das tropas de paz no tráfico sexual e, antes de 2009, mostravam o envolvimento das tropas de paz no tráfico de mulheres e crianças para a prostituição nos Balcãs, Moçambique, Libéria, Guiné, Serra Leoa, Congo e Haiti. No começo dos anos 2000, mulheres tailandesas estavam sendo traficadas em bordéis frequentados por tropas de paz em Timor-Leste; tropas de paz criaram a indústria da prostituição em Ruanda em 1995; e no Camboja, a chegada das tropas de paz causou um aumento de 1.500 para 20.000 no número de mulheres e garotas prostituídas em 1990.

Conforme os Estados Unidos transforma o Oriente Médio em uma zona de desastre, a história está se repetindo. A autora feminista egípcia Nawaal El-Saadawi aponta em The Hidden Face of Eve que “[e]m um único ano, as Cruzadas tiveram de pagar os custos de alimentação e abrigo de mais de 13.000 prostitutas”. Hoje, o Oriente Médio tem a indústria de tráfico sexual que mais cresce no mundo, com tropas de paz envolvidas no tráfico de mulheres sírias.

Os comerciantes de escravas brancas introduziram a prostituição e as doenças sexualmente transmissíveis como parte de sua conquista e colonização: quando o capitão Cook foi ao Havaí em 1778, ele levou uma mulher havaiana chamada Lelamahoa-lani para si, em troca de ferro, e os marujos da Endeavour seguiram seu exemplo. De acordo com o historiador James Belich, pelo ano de 1810 na Nova Zelândia, a prostituição era mais lucrativa que o comércio de lã, laticínios e até mesmo ouro. Sheila Jeffreys no livro The Industrial Vagina escreve que “o estado colonial holandês agiu como um cafetão” em Curaçao, administrando, regulando e recrutando mulheres para bordéis desde o começo do século XX. Em Mulher, Raça e Classe, Angela Davis aponta que no tráfico escravagista, “as mulheres […] eram inerentemente vulneráveis a todas as formas de coerção sexual. Se a mais violenta forma de punição para um homem consistia em chicotadas e mutilações, as mulheres eram chicoteadas e mutiladas, mas também estupradas.”

A regulação do estupro pelo Estado originou de uma tentativa de evitar que a sífilis tivesse um efeito debilitante no exército como um todo. É isso que a prostituição é: a regulação do estupro no sentido de manter a capacidade dos homens de dominar. Feministas organizadas em campanha contra a regulação do estupro datam do Ato das Doenças Contagiosas de 1864 na Grã-Bretanha, que ditava que qualquer mulher encontrada em portos marítimos ou nos arredores de cidades militares (como Portsmouth) poderia ser presa, examinada e — se tivesse alguma doença venérea —, encarcerada em internamento forçado. Feministas como Josephine Butler reconheceram que essa lei significava que “homens podiam usar prostitutas com impunidade enquanto ao mesmo tempo puniam todas as mulheres”, conforme relata a jornalista Julie Bindel. Butler venceu sua luta contra o Ato das Doenças Contagiosas em 1886 — e então ela se voltou para a Índia, onde o exército britânico estava vendendo mulheres na prostituição em cidades militares usando os mesmos métodos legais. No século XIX, na Irlanda, as tropas britânicas também estavam prostituindo mulheres em cidades militares.

1884 foi o ano do “Passeio pela África” da Europa: foi quando nações européias dividiram o continente africano entre si mesmos em uma conferência em Berlim, antes de invadirem seus novos territórios reivindicados. Tropas italianas e francesas estabeleceram sistemas de prostituição assim que chegaram na África: o exército italiano montou um sifilicomio, para onde mulheres seriam levadas para se recuperar de doenças sexualmente transmissíveis, quase imediatamente depois de terem ocupado Massawa em fevereiro de 1885. Assim como os franceses: o primeiro sistema de prostituição regulamentada foi criado em Algiers em 13 de julho de 1830, apenas oito dias depois de as tropas francesas terem capturado a cidade. Filles soumises ou “garotas submissas” eram levadas a bordéis europeus e distritos da luz vermelha marcadas como “indígenas” — esse sistema gradualmente se estendeu por todos os territórios do norte da África que estavam sob o controle da França.

No Congo ocupado pela Bélgica, o rei Leopoldo II enviou soldados recrutas a vilarejos para sequestrar e manter mulheres reféns, de modo a forçar os homens locais a coletar a altamente lucrativa borracha cujas árvores que cresciam na floresta. “As mulheres capturadas durante a última incursão… não estão me causando nenhum tipo de perturbação”, escreveu em seu diário um oficial belga chamado Georges Bricusse em 22 de novembro de 1895. “Todos os soldados querem uma. Os sentinelas que deveriam estar as vigiando desacorrentam as mais bonitas e as estupram”. No início dos anos 1900, os invasores alemães causaram um genocídio na Namíbia. Eles então montaram um bordel para prostituir as mulheres nativas que sobreviveram.

Os livros The Industrial Vagina e Does Khaki Become You.
Imagem da autora do texto.

Na Nigéria, grandes porcentagens de mulheres de tribos nativas foram arrastadas para a prostituição durante essa era de colonização. A pesquisadora Mfon Ekpo-Otu conta que no ano de 1948, “a prostituição se tornou tão endêmica na região de Agwagune (Akunakuna) que seu nome se tornou sinônimo de prostituição” — tribos próximas chamavam mulheres prostituídas de akuna ou akwunakuna. No Quênia, um oficial da polícia reportou em 1917 que havia entre 300 e 500 mulheres e crianças sendo prostituídas em Nairóbi, algumas com 10 anos de idade. Na época da Segunda Guerra Mundial, muitas mulheres quenianas que estavam na prostituição de rua — que começou a ser chamada de watembezi — começaram a alugar camas, esteiras e quartos em cabanas de barro onde eram prostituídas em tempo integral por soldados alocados em Nairóbi.

De acordo com livro de Cynthia Enloe Does Khaki Become You, no começo da Segunda Guerra Mundial, os bordéis em Trípoli (Líbia) passaram a ser controlados diretamente pelo exército britânico. Oficiais foram postos em seu comando. Comandantes do exército britânico alocados na Índia também administravam bordéis oficiais, e em ambos os casos, as mulheres foram submetidas a exames médicos obrigatórios, e os bordéis eram designados de acordo com a raça e a posição na hierarquia dos soldados. Quando mais tarde vieram ordens de Londres para fechar os bordéis na Índia, os militares colocaram a culpa na epidemia de sífilis. Em seu livro A Man’s Country, Jock Phillips narra como soldados da Nova Zelândia queimaram bordéis no Egito em 1915 como uma vingança por contraírem sífilis, como se as mulheres fossem as culpadas — uma vez que era esperado delas se manterem “limpas” para o uso das tropas.

Nos anos 1930 e 40, o Japão continuou expandindo seu território através da China e do Pacífico. Em Japan’s Comfort Women, Yuki Tanaka explica que em abril de 1933, o exército imperial japonês criou uma estação chamada “Instalação Higiênica para Prevenção de Epidemias” em Xangai, onde mantinha 35 mulheres coreanas e três japonesas. Duas camisinhas eram distribuídas para cada soldado — um total de 15.528 camisinhas. No ano de 1942, 32,1 milhões de camisinhas foram enviadas para unidades alocadas fora do Japão, e além disso, as tropas japonesas sequestraram por volta de 200 mil mulheres e meninas da Coreia através de tráfico, trapaça e à força, para usá-las no que ficou conhecido como “mulheres conforto”. Mulheres japonesas chinesas e taiwanesas também foram usadas, e meninas filipinas de dez anos foram sequestradas por grupos de soldados. Jovens meninas virgens eram preferidas, uma vez que era menos provável que estivessem infectadas com sífilis, e sob o sistema das mulheres conforto, os oficiais tinham a preferência no “direito” às garotas mais jovens traficadas.

Os japoneses estabeleceram esse sistema de mulheres conforto na Indonésia; 3000 mulheres japonesas chinesas e coreanas foram também enviadas a Papua Nova Guiné ocupada pelo Japão, para lidar com entre 25 e 35 “clientes” por dia. As mulheres japonesas foram menos usadas no papel de “mulher conforto” porque se acreditava que seu papel era criar crianças japonesas saudáveis que cresceriam fiéis ao Império. O governo japonês no período das grandes guerras se inspirou na ideologia eugênica nazista, proclamando a Lei Eugênica Nacional em 1940. De acordo com Jeffreys, Himmler ordenou o estabelecimento de pelo menos nove bordéis em campos de concentração. Sob instruções do departamento de saúde, o gueto de Varsóvia estabeleceu um bordel com cinquenta mulheres judias para o uso dos soldados alemães, e em alguns lugares mulheres judias eram aprisionados para o uso dos guardas da SS.

Em 1945, no início da primeira guerra do Vietnã, os vietnamitas resistiram às tropas francesas entregando a eles as mulheres locais — mas em 1954 os franceses quebraram essa resistência. “Primeiro garotas baristas, e então casas de massagens para os fuzileiros navais em Da Nang, até que uma favela de bordéis, casas de massagens e negociantes de entorpecentes conhecidos como Dogpatch logo rodeavam a região”, lembra um veterano americano. Novamente, haviam bordéis separados para os soldados brancos e negros. Em seu livro Don’t Be Afraid of Gringo, Elvia Alvarado diz que o povo hondurenho se referia a sífilis como “flor de Vietnam”. “Quando os gringos chegaram”, diz Alvarado, a prostituição “deu início a algo terrível, com ruas inteiras cheias de bordéis”. Ela acrescenta,

Houve também um escândalo em torno do abuso sexual de crianças pelos gringos. Houveram casos de crianças que foram estupradas. Nunca ouvimos falar de nada parecido com isso antes de os gringos virem para cá.

E as pessoas começaram a falar sobre uma doença sexual chamada “flor de Vietnam”. Acredito que esse nome venha do país Vietnã, onde os Estados Unidos lutou outra guerra. Tudo que sei é que é uma doença sexual difícil de curar.

Mas o pior tem sido a AIDS… Dizem que quando os gringos contraem AIDS eles duram mais, porque tinham mais defesas que nós indígenas temos.

Protesto da organização filipina Gabriela.
Imagem da autora do texto.

Evento do fim da Segunda Guerra Mundial, o Japão perdeu o seu domínio sobre a Coreia e ela se dividiu em dois estados: a do Norte e a do Sul, desencadeando a Guerra da Coreia. Desde então, mais de um milhão de mulheres coreanas foram prostituídas pelo exército dos Estados Unidos. Em seu livro In Order to Live, Yeonmi Park conta sua experiência de ter sido contrabandeada da Coreia do Norte por traficantes que tinham como alvo garotas norte-coreanas buscando passagem segura,de modo a vender essas garotas para casamento e prostituição na China.

Um dos focos do livro The Industrial Vagina de Jeffreys são as regiões que o exército americano transformou em regimes de “descanso e recreação”, antes desses países se tornarem destinos de turismo sexual. Coreia, Tailândia e Filipinas estão entre essas regiões: 100.000 mulheres em Bangkok foram prostituídas sob o pretexto de “descanso e recreação” antes de a Tailândia se tornar um destino para o turismo sexual. 70% dessas mulheres e garotas sofriam com sífilis. Por volta dos anos 1960, 55.000 mulheres filipinas foram usadas na prostituição por tropas americanas para “descanso e recreação”. A organização filipina feminista Gabriela foi criada para resistir ao modo como as mulheres e meninas filipinas eram responsabilizadas, punidas e medicalizadas por causa da epidemia de sífilis causada pelo influxo de tropas americanas que as estavam prostituindo.

De acordo com o expert em tráfico de pessoas Siddharth Kara, os países asiáticos tem agora o maior número total de mulheres e meninas na prostituição. Nações como Quênia, Hawaii, Tahiti e Brasil também estão entre os maiores destinos sexuais militarizados.

A conexão que a prostituição e a pornografia tem com o militarismo é cíclica. A prostituição organizada por exércitos abasteceu a demanda da indústria pornográfica que cresceu rapidamente depois da Segunda Guerra Mundial; a pornografia também é usada para encorajar a agressividade dentro das forças armadas. Pornografia foi usada com este propósito quando soldados paquistaneses invadiram Bangladesh durante o genocídio de 1971; um jornal de mulheres britânico chamado Outwrite reportou que filmes pornográficos hardcore eram exibidos as tropas britânicas com destino às ilhas Malvinas em 1982. A Iugoslávia foi saturada de pornografia antes do genocídio bósnio, e a pornografia foi um fator para o estabelecimento de campos de estupro por milícias sérvias na Bósnia. Combatente sérvios filmaram o estupro de mulheres não-sérvias para fazer pornografia dentro de um sistema de prostituição onde o assassinato era comum.

Prostituição e pornografia são inseparáveis do militarismo. Juntas, essas instituições mantém o domínio dos homens no poder sobre as mulheres, e sobre as regiões ocupadas: mais do que isso a pornografia e a prostituição encoraja os homens a fetichizar a violência e a dominação.

A resistência feminista contra o estupro regulamentado — como o trabalho da organização Gabriela nas Filipinas, e a campanha de Josephine Butler contra o Ato das Doenças Contagiosas na Grã-Bretanha e Índia — ainda é uma parte crucial da oposição a violência masculina e ao militarismo. A prostituição tem se tornado normalizada de forma crescente ao redor do mundo, com jurisdições como a Nova Zelândia implementando versões contemporâneas do Ato das Doenças Contagiosas de 1864. Sobre o modelo do legislativo da Nova Zelândia chamado de “redução de danos”, o “apoio” oferecido às mulheres na prostituição constitui em nada mais do que distribuição de preservativos, de modo que os homens possam se proteger de doenças sexualmente transmissíveis. O estupro de mulheres vai permanecer intocado, a menos que as feministas se deêm conta de que precisamos agir.

Corpo, alma e a mulher como vaso

Nos anos 1940, em uma crítica ao cartesianismo da divisão entre o corpo e a mente, o filósofo Gilbert Ryle denominou esse dualismo de “dogma do fantasma na máquina”. Essa ideia, adotada por vezes em algumas obras do cyberpunk, ilustra o dualismo como um espectro (a alma) que preenche o vazio de uma concha (a matéria). Ryle criticou esse pensamento no sentido de que compara mente e corpo como se fizessem parte da mesma categoria, filosoficamente errado por princípio.

Essa crítica, não por acaso, se aplica também a uma compreensão rasa e determinista da técnica, que enxerga artefatos produzidos pelos seres humanos de forma independente das forças conscientes que os produziram. Essa interpretação das “forças conscientes” como entes separados no reino do espírito tem origem em uma compreensão de mundo fundamentalmente cristã, ainda que iluminista (ou anti-iluminista, como era o caso de Descartes). Este tipo de visão enxerga deus como uma pré-consciência que cria os corpos humanos e os presenteia com uma consciência — o sopro da vida. Se esse corpo deixa de existir e morre, a consciência que o habita permanece, mas seu destino vai depender da interpretação teológica ou metafísica do freguês.

Uma vez que o eixo de análise feminista comprometida com o desmantelamento da dominação masculina precisa ser o sexo, o feminismo é, filosoficamente, materialista. Ainda que em suas discussões se abarque a “natureza da mulheridade”, muitas vezes essas discussões acarretam em desvios dualistas (ou que tendem ao dualismo). Sendo esses desvios deliberados ou não, eles têm como consequência justamente a retirada do sexo como eixo central da análise e ponto de partida feminista [1]. O sexo fêmea é a expressão material da existência das mulheres.

Se tivesse uma compreensão dualista, o feminismo entenderia a mulher como uma entidade mental que habita um corpo fêmea. A compreensão materialista e verdadeiramente feminista, no entanto, é necessária para que não haja essa ruptura entre o ser e o existir. Não existe uma alma-mulher que habita no corpo fêmea. Seu corpo fêmea é parte fundamental do que significa ser um ser humano mulher.

Sendo um corpo fêmea, as mulheres estão sujeitas às particularidades de se existir nesse tipo de corpo específico, com as suas especificidades. Ser uma fêmea é experienciar o mundo de forma qualitativa e materialmente diferente de experienciá-lo em um corpo macho. O tipo de corpo macho, biologicamente, existe em relação reprodutiva da espécie humana com as fêmeas, mas de nenhum modo esse aspecto material tem relação expressa com a existência do corpo fêmea [2], da mesma forma que um ser humano qualquer não tem, a priori, qualquer relação com outro ser humano qualquer para além do fato de que ambos são humanos. A espécie humana é dimórfica, o que significa dizer que podemos vir ao mundo de duas formas distintas de ser humano, macho ou fêmea. O que o feminismo defende, nos termos mais crus possíveis e sem modificadores externos, é que estar em um ou outro tipo de categoria sexual não pressupõe maior ou menor valor social.

Reconhecer a existência de fêmeas e machos e suas diferentes dinâmicas de relação com o mundo não é essencialismo, é materialismo. O contrário, não reconhecer essas dinâmicas, é medir a existência das mulheres pelas réguas e regras dos homens. É assumir que homens são o padrão da existência humana e que mulheres são um Outro desviante da norma, em um sentido bizarro de “minoria” que compõe mais da metade. É evitar que mulheres falem de si, interditando o debate antes mesmo que ele possa começar utilizando pressupostos de análise que sequer consideram a existência da mulher como uma coisa real, enxergando a dimensão sexual e reprodutiva como pertencente ao reino separado da matéria, uma concha vazia carente de alma. É interpretar a existência dos corpos fêmeas das mulheres como fora da dimensão do “humano”.

Uma visão materialista no feminismo enxerga as mulheres como seres humanos adultos do sexo feminino. Uma visão dualista enxerga as mulheres como úteros (no sentido físico) e como receptáculos (no sentido simbólico). Uma vez que a visão dualista tende ao espiritualismo, em uma visão patriarcal a mulher é o receptáculo, o vaso da Vontade do Pai. Conforme o domínio masculino vai se afrouxando, os dominadores encontram formas de se manter, cedendo aqui e ali, enxergando as mulheres não como iguais — como isso poderia ser possível? —, mas como instrumentos dos seus objetivos, depositárias de suas bênçãos e conhecimentos [3]. No sentido mais pejorativo desse mesmo patriarcado cambaleante, mulheres são “depósitos de porra”.

As mulheres não são fantasmas na máquina. Seu corpo fêmea não é um aparato. Melhor ainda seria dizer que o corpo das mulheres não é uma chocadeira para gerar novos seres humanos (ou mesmo filhos menos literais), à disposição dos propósitos dos homens, sejam eles quais forem. O corpo fêmea é uma pré-condição da existência da mulher. Que ele possa gerar novos seres humanos é uma capacidade própria sua explorada pela dominação masculina, e que ainda que não circunscreva a existência completa do ser humano mulher, é com um corpo fêmea que a existência dela acontece. Negar essa realidade não é uma postura que centre mulheres e, muito menos, uma postura feminista.


Notas

[1] Outros desvios com tendências dualistas podem incluir compreensões ginocêntricas emprestadas de visões de mundo religiosas, ou ainda uma compreensão “ecológica” mística ou quase.

[2] Muito pelo contrário. Pela ciência da embriologia, sabemos que a forma base do feto só se desenvolve em uma forma fenotípica masculina caso receba instruções genéticas e hormonais para tal. As críticas ao feminismo que evidenciam a existência de anomalias nesse processo falham em enxergar que se tratam, justamente, de anomalias e não de outros sexos diferenciados.

[3] Todos eles desenvolvidos por homens, que tão bondosamente presenteiam as mulheres para que frutifiquem a partir de seus saberes.

Prestes a virar o jogo: um manifesto radical

A revolução das mulheres é inevitável. Libertar-se da dominação masculina é por vezes visto como algo utópico, uma impossibilidade essencialmente vinculada à nossa condição material e biológica de gestadoras da humanidade, mesmo por algumas daquelas que anseiam muito essa liberdade. Mas, como dizia Shulamith Firestone em 1970, a situação atual exige essa revolução, e as pré-condições necessárias para que essa revolução aconteça já existem em alguns lugares. É apenas uma questão de tempo para tal, e depende fundamentalmente de as mulheres não cederem os espaços que com tanta dificuldade conquistaram. Exige, portanto, um tratamento radical. Os homens (que podem parecer, mas não são de todo ignorantes) sabem disso e é por isso mesmo que estão tão empenhados na busca por substitutxs.

Audre Lorde

As evidências dessa busca estão em todos os lugares. Uma vez que a revolução feminista já começou, está acontecendo, é contagiosa e pode em breve se concretizar, os homens buscam já há muito alternativas à mulheridade. Essa busca é por alternativas a habilidades que só as mulheres possuem e pode ser observada através de alguns exemplos: na industrialização e substituição do leite materno por fórmulas, que em 1977 provocou protestos em todo o mundo contra a Nestlé, quando crianças de países subdesenvolvidos sofreram as consequências da falta de nutrientes e da irresponsabilidade dos industriais que jogaram no mercado esses produtos sem fazer testes exaustivos; nas pesquisas em reprodução humana, algumas visando realizar transplantes de útero em indivíduos do sexo masculino, ou até mesmo a busca da gestação completa fora do órgão materno, em um mundo superpovoado e repleto de crises migratórias onde “falta de gente” não é um problema; na indústria da beleza, que utiliza corpos de mulheres como cobaias de suas aberrações cirúrgicas e de seus produtos desnecessários, e busca conformar seus corpos a um padrão irreal; nos testes antiéticos para o desenvolvimento e a recomendação irresponsável do uso de pílulas anticoncepcionais a mulheres jovens; na medicalização da infelicidade de pessoas a respeito dos papéis sociais, expectativas e estereótipos atribuídos a si em virtude de sua condição sexual… A lista é imensa.

Hoje, a principal força da dominação masculina diretamente envolvida nessa busca de alternativas ao corpo fêmea é provavelmente a ciência médica. Estabelecida e formalizada a partir do sequestro dos saberes populares que ficou conhecido como “caça às bruxas”, é de certo um dos pontapés fundamentais do início da chamada Era Moderna, período histórico onde alguns dos grilhões mais pesados do patriarcado tiveram reforço. Ela não atua sozinha, porém. Necessita de um grande aparato ideológico/epistemológico, infiltrado em movimentos sociais legítimos, para fazer suas ideias passarem. Apesar de ainda estarmos nas bordas do oceano cósmico em termos de saber científico e não termos como prever as implicações a longo prazo dessas intervenções todas, pessoas desinformadas ou deliberadamente instrumentalizadas em favor da construção dessa “mulher ideal” — em oposição a mulheres reais, vivas, sencientes e conscientes — estão propagando um duplipensar, onde ideias opostas ao feminismo são tidas como feministas. A alternativa à mulheridade se desenvolve, portanto, em um cenário onde a verdade já não importa, e o que vale é uma crença em uma verdade alternativa.

Uma das forças ideológicas empenhadas nessa desconstrução — literal e simbólica — da mulher, é a prostituição da sexualidade. Ao mesmo tempo em que ideias anti-feministas buscam tirar o sexo do centro da análise feminista, há a tentativa de convencer mulheres de que as fantasias masculinas de dominação são a única alternativa existente à sexualidade, e que todas as suas manifestações seriam legítimas. O “espaço para negociação” aí existente, defendido por alguns teóricos da sexualidade — comprometidos conscientemente ou não com a exploração das mulheres —, busca nominalmente romper com as regras ao mesmo tempo em que cria uma série de regulações que mantém as estruturas exatamente onde elas já estão. Isso fica evidente não apenas na prostituição propriamente dita, mas também na pornografia mainstream e sua “guinada à esquisitice” nas últimas décadas, com a expansão da internet e a exaustão da pulsão sexual viciada sempre em busca de novidades.

Existem pelo menos dois argumentos que buscam sustentar a separação da sexualidade em um reino específico das práticas humanas, que se pretende libertador, mas esquece que essa “liberdade” se dá na exploração das mulheres. Um deles é o de que “a pornografia existe desde tempos imemoriais” — o que, segundo esses ideólogos, estaria evidente nos mitos gregos e japoneses, nos grafites da Roma Antiga, e nas ilustrações e representações de “atos sexuais” ao longo dos tempos. Esse argumento ignora que tanto os exemplos utilizados se dão em contextos onde a dominação masculina foi ainda mais forte do que é hoje nesses mesmos territórios geográficos, e também que a pornografia hoje, inserida na lógica capitalista de produção, é ordens de magnitude diferente desses exemplos; portanto, comparações bastante longe de fazerem sentido. O segundo dos argumentos utilizados para essa normatização da sexualidade é o de que “prostitutas têm a profissão mais antiga do mundo”, se fundamentando nas chamadas prostitutas sagradas, ignorando todo o período anterior ao estabelecimento do patriarcado e fazendo uso de uma comparação errônea do modo como se davam os cultos e seus significados nos mais variados tipos de religiões da Antiguidade, e que essas religiões sofreram mutações influenciadas pela progressiva dominação masculina. Esse argumento falha em ver a prostituição como inerente ao militarismo que tornou possível essa dominação, e se faz de cego frente a uma divisão das mulheres em classes úteis ao patriarcado: a dicotomia santa x puta.

Frente a todos esses fatos e contextos, como construir uma revolução de mulheres?

O feminismo, como campo de conhecimento e movimento social, já possui alguma das bases teóricas e estratégicas para virar o jogo. Uma vez que muito desse trabalho já foi feito, não precisamos reinventar a roda: nos resta respeitar o legado das feministas que vieram antes de nós e estudar os seus tão preciosos insights. O feminismo não é qualquer coisa que uma mulher queira, seja ela uma mulher específica ou pertencente a um determinado grupo. Estamos dando continuidade a um trabalho que já começou, não precisamos reconstruir o movimento do zero toda vez que uma crise nova se abate sobre ele, e essa busca por uma “mulher alternativa” ainda mais submissa do que qualquer mulher é capaz de ser é um resultado da eficiência de nossa militância. O feminismo não sai da cabeça de uma única mulher, mas deve ser uma construção coletiva com objetivos universalistas: as nossas demandas precisam atender a todas as mulheres, principalmente no que diz respeito à sua situação enquanto mulheres. Existir em um mundo organizado pela dominação masculina em um corpo fêmea é qualitativamente diferente de habitá-lo em um corpo macho. As forças que buscam nos dominar o sabem muito bem, e é importante que nós também saibamos.

Não compactuar com os valores e instituições que reforçam essa dominação, e parar de canalizar nossas energias nos homens e nos seus objetivos para nos centrarmos nas mulheres é essencial para evitarmos a instrumentalização do movimento. Não se faz isso mergulhada em ignorância, atemorizada pelo medo de pensar ou questionar ideais anti-feministas que venham disfarçados em pele de cordeiro. É preciso uma militância baseada em objetivos, que se foque tanto na conscientização de suas membras quanto nos objetivos comuns das mulheres. Isso começa somente quando reconhecemos nas nossas iguais as nossas lutas e dificuldades conjuntas, e compartilhamos forças na construção de uma utopia feminista.