O mais íntimo dos espaços das mulheres — seus corpos

Jeffreys, Sheila. Gender Hurts: a feminist analysis of the politics of transgenderism. Abingdon, Oxon: Routledge, 2014. Traduzido com permissão da autora.

O mais importante espaço para as mulheres são seus corpos. A invasão masculina e a ocupação dos corpos das mulheres foram identificadas pelas feministas como o fundamento da subordinação das mulheres. Os homens têm, historicamente, vendido e trocado mulheres como propriedades no casamento e na prostituição de modo que seus corpos possam ser usados para sexo e reprodução (Lerner, 1987). A tentativa de tirar o controle de seus corpos por parte de homens individualmente e por parte de leis patriarcais e instituições têm sido talvez o mais importante ímpeto subjacente para a atividade feminista, porque sem esse controle mulheres não têm chance alguma de acessar qualquer outra forma de liberdade. O aborto tem sido a chave do ativismo feminista, de modo que uma mulher que não consegue controlar sua reprodução se torna um mero veículo aos propósitos alheios. Similarmente, o direito de uma mulher de definir sua própria sexualidade, de apenas ela mesma selecionar parceiros sexuais, de escolher o celibato, ou de escolher se relacionar sexualmente com pessoas cuidadosamente escolhidas, tem sido entendido como algo central ao direito das mulheres à autonomia. Talvez não seja surpreendente, então, que transgêneros de constituição masculina, alinhados à geração de homens que tem buscado controlar os corpos das mulheres, considerem que este seja um espaço importante de se ocupar.

O direito à autonomia sexual das mulheres é diretamente contraditório às tentativas de alguns ativistas transgêneros de forçar mulheres a disponibilizarem suas vaginas para uso sexual dos pênis desses homens. Em um extraordinário exemplo do que a cientista política Carole Pateman chama de direito masculino de acesso, alguns ativistas transgêneros estão agora procurando instilar culpa em lésbicas de modo a permitir acesso de pênis em seus corpos (Pateman, 1988). Isso está ocorrendo através de uma campanha para destruir o que esses ativistas transgêneros chamam de “teto de algodão” [no original, “cotton ceiling”], um termo que é baseado no entendimento feminista de que mulheres na vida pública encaram um “teto de vidro” que proíbe seu acesso aos santuários masculinos. O “teto de algodão”, um termo inventado pelo ator pornô transgênero Drew Deveaux, abrange as calcinhas das mulheres, que criam uma barreira contra a penetração por parte de pênis de transgêneros de constituição física masculina (Garmon, 2012). A idéia de que a relutância das mulheres e das lésbicas em servir estes pênis é um problema a ser abordado seriamente e superado conseguiu tanta aceitabilidade que a organização de caráter masculinista Planned Parenthood ajudou a fazer um workshop sobre o “teto de algodão” em sua conferência em Toronto chamada “Prazeres e Possibilidades” em 2011. Esse workshop era exclusivo para transgêneros de constituição física masculina, um espaço do qual as mulheres eram excluídas, e no qual esses homens poderiam discutir táticas para acessar os corpos das lésbicas ou de mulheres em geral que forem resistentes aos seus encantos (Planned Parenthood, 2011).

O workshop foi chamado de “Superando o Teto de Algodão: Quebrando as Barreiras Sexuais para Mulheres Trans Queer”, e era conduzido pelo ativista transgênero Morgan Page (Page, 2011). A descrição do workshop diz:

[O workshop] “Superando o Teto de Algodão” vai explorar as barreiras que as mulheres trans queer encaram dentro das amplas comunidades queer de mulheres através de discussões em grupo e da criação de representações visuais práticas dessas barreiras. Os participantes trabalharão juntos para identificar barreiras, traçar estratégias para superá-las e construir uma comunidade. (Page, 2011)

A campanha se baseia em instilar culpa, de modo que as mulheres são acusadas de “transfobia” ou “transmisoginia” em uma tentativa de induzi-las a admitir pênis não-desejados em seus corpos. Na campanha do teto de algodão, o direito à autonomia sexual das mulheres é redefinido como uma forma de discriminação contra pessoas de constituição física masculina, a qual deve se fazer oposição zelosa. Os transgêneros de constituição física masculina que fazem campanha para conseguir acesso aos corpos das mulheres desse modo chamam seus pênis de “lady sticks” [varinha de mulher[. A origem desse termo é um tanto informativa: É comumente usado em pornografia transgênera, onde homens com pênis são prostituídos para o prazer sexual de consumidores homens. Um site pornô transgênero, Shemale Models Tube, assim descreveu um dos transgêneros de constituição física masculina em um vídeo pornô: “Senhora Meat é uma garota safada que ama ter seu lady stick chupado o dia todo” (Shemale Models Tube, n.d.). É, portanto, irracional esperar que lésbicas e feministas suspendam sua descrença de modo a facilitar as vidas de fantasias sexuais desses homens com pênis. As demandas básicas das mulheres de terem o direito de definir suas próprias sexualidades e de escolher a quem vão amar são muito importantes.


Referências
LERNER, Gerda. The Creation of Patriarchy. Nova York: Oxford University Press, 1987.
PARTEMAN, Carole. The Sexual Contract. Cambridge, UK: Polity Press, 1988.
GARMON, Savannah. Requiem for a dialogue. 27 de janeiro de 2012. Disponível em: link — Acesso em 25 de julho de 2012.
PLANNED PARENTHOOD. Pleasures and Possibilities. 2011. Disponível em: link — Acesso em 25 de julho de 2012.
PAGE, Morgan. Overcoming the Cotton Ceiling. 2011. Disponível em: link — Acesso em: 25 de julho de 2012.
SHEMALE MODELS TUBE. Thick Black T-Girl. Sem data. Disponível em: link — Acesso em 17 de março de 2013.

Pornografia dançante

STELLA. “Dancing pornography”. In: BRAY, Abigail e REIST, Melinda. Big Porn Inc.: exposing the harms of the global pornography industry. North Melbourne, Vic: Spinifex Press, 2011. p. 144-149. Traduzido com permissão da autora.

Todo dia eu temia perder meu trabalho. Não havia segurança, e se o clube dissesse “vai”, eu ia. Uma vez paguei a porcentagem do clube para uma moça no bar que estava fazendo os registros no livro, mas não assinei o recibo porque fui chamada pra dançar. Ela disse que anotaria no livro e que eu podia assinar depois da dança. Quando voltei pra assinar, ela disse que eu não havia dado o dinheiro. Protestei, mas ninguém acreditou em mim. Este foi o momento em que entendi minha realidade: acreditavam nela porque ela era uma pessoa de verdade, com um trabalho de verdade. Eu era só uma stripper, uma puta, provavelmente drogada e, sem dúvida nenhuma, uma ladra. Eu tinha que pagar a porcentagem novamente ou sair do clube. A realização súbita de que agora eu era uma stripper, não uma pessoa, foi dolorosa.

As pessoas tendem a crer que as strippers trabalham em algum tipo de ambiente protegido e controlado, que elas é que mandam, apoiadas pela autoridade do clube e dos seguranças. Que os frequentadores é que são os abusados, as vítimas manipuladas dessas mulheres loucas por grana que exibem seu sex appeal em troca de dinheiro e nunca precisam desembolsar nada. Algumas strippers perpetuam este mito, não sei se para justificar sua mercantilização para o mundo, para si mesmas ou umas para as outras. Às vezes você se sente poderosa, rodando em volta do pole dance como uma bailarina de caixinha de música, com o público encantado aos seus pés, mas minutos depois, apalpada, beliscada e violada, esta ilusão desaparece.

Na parte de baixo do clube nós “tínhamos permissão para abrir as pernas” e nós balançávamos essa promessa em frente aos homens como contrabandistas que tiram os Rolex de dentro do casaco. “Vamos lá pra baixo, eu vou dançar pra você, 3 músicas e você me terá todinha para a dança mais selvagem que já desejou”. Existe uma suposição, sempre existe esta suposição, quando você compra uma mulher, de que você vai ser o diretor de um filme pornô. Por que o homem não ficaria confuso, sentindo a euforia mental de comprar uma pessoa, uma pessoa vestindo pouquíssima roupa, que finge que a oportunidade de tirar essas poucas peças de roupa para ele é a melhor coisa que aconteceu a noite inteira? Alguns minutos depois, fechados num cubículo à penumbra e decorado como um quarto de casal, com os peitos pressionados contra a cara dele e a vagina à mostra pulando em frente à uma ereção, por que este homem acharia que há algo errado em forçá-la? Por que OCORRERIA a ele que aquilo não é consensual?