Lesbianismo político é política identitária

Traduzido com permissão da autora. Original em: Revolutionary Combustion

Uma política identitária, de forma geral, justifica o ato de se assumir uma identidade com o propósito de estabelecer um posicionamento político. No caso do “lesbianismo político”, ser lésbica reduz-se a uma identidade social que expressa aos outros uma ideologia política, não necessariamente descrevendo o comportamento sexual privado de uma mulher. Como em qualquer identidade a existência da “lésbica política” demanda um reconhecimento externo. Se outras pessoas não sabem ou não leem essa mulher como “lésbica política”, isso não acarretará em qualquer influência social à mesma. Logo, ser “lésbica política” funciona essencialmente como performance social.

Primeiramente, como uma mulher se faz saber “lésbica política” aos outros? Pela própria designação, pelas práticas, pela aparência, ou algum tipo de combinação de tudo isso? Se é apenas pela designação, então realmente não passa de um rótulo, uma expressão performática [I]. Acho que as próprias mulheres que se autoidentificam como “lésbicas políticas” concordariam que é necessário mais que isso. Se “lesbianismo político” diz respeito às atividades sexuais unicamente, então a identidade permaneceria completamente confidencial. Se ninguém fica sabendo de que maneira essas mulheres fazem sexo, suas práticas possivelmente não afetarão extensivamente sua atmosfera política; a proclamação de si mesma enquanto “lésbica política” é necessária à influência social e relevância política do título, então as práticas sexuais podem ser necessárias, mas também seriam insuficientes como definição do termo. No final das contas, a aparência poderia ser o método mais eficaz de se atestar que a definição de uma mulher sobre si mesma enquanto “lésbica política” fosse transmitida ao público de maneira concisa. Ainda assim, “lesbianismo político” não é uma tendência fashion e não prescreve um conjunto particular de acessórios ou cores para a visibilidade do grupo [II]. Eu li tantas definições do que é uma “lésbica política” quanto pude encontrar; não há um consenso sobre seu significado.

Em segundo lugar, a eficácia do “lesbianismo político” enquanto atitude política depende do mesmo tipo de base lógica que qualquer outra política identitária: espera-se que suas fieis voluntárias comportem-se de uma certa maneira que supostamente efetiva algum tipo de mudança social positiva. Eu costumo brincar sobre quais posições sexuais as “lésbicas políticas” consideram melhores para lutar contra o patriarcado, mas não é uma piada muito engraçada. Nós não podemos foder nosso rumo à liberação. Eu aprendi isso vendo a teoria queer. Na prática, ser uma lésbica – “política” ou não – não diminui, e na verdade potencializa, as experiências de discriminação e degradação social sofridas pelas mulheres. É indiscutivelmente sádico encorajar mulheres a deliberadamente se exporem à opressão com a finalidade de promover o avanço do status coletivo de outras mulheres.

De uma forma mais ampla, uma metodologia de performance social é uma fuga à confrontação das forças que se encontram imediatamente por trás da esfera pessoal de alguém. Ativismo político não é movimento de autoajuda; é a desconstrução material e intelectual de uma dinâmica de poder embasada numa luta de classes que dá origem à opressão. Como já disse em outra oportunidade, pessoas oprimidas não criam sua própria opressão através de “escolhas identitárias ruins”, tampouco as “escolhas sexuais ruins” das mulheres são a causa da opressão sexual que sofremos enquanto tal [III]. No entanto as teorias do “lesbianismo político” focam ostensivamente nas escolhas pessoais de mulheres privilegiadas o bastante para exercer controle sobre sua própria expressão sexual. Infelizmente, a maioria de mulheres no mundo não têm essa liberdade.

A sexualidade de uma mulher nunca deve estar a serviço de seu posicionamento político. Se você é lésbica, ótimo. Se você não é lésbica, quem se importa? Eu não. Eu não me importo com quem você transa, ou como você chama a si mesma; isso é problema seu. A sexualidade falocêntrica, comercialmente construída pode e deve ser criticada [IV]. Essa crítica, porém, não concede a qualquer feminista uma licença para prescrever certos tipos de comportamento sexual, identidade ou desejos, como mais “feministas” do que outros.

O patriarcado manipula a sexualidade feminina direcionada aos homens e à heteronormatividade. O “lesbianismo político” faz uma coisa parecida, ao contrário, da seguinte maneira: as teorias do “lesbianismo político” afirmam que a sexualidade é inteiramente construída socialmente. Esse paradigma torna mulheres que não são lésbicas – na designação ou práticas, tanto faz – como sendo macho-identificadas. De forma semelhante, a afirmação de que “qualquer mulher pode ser lésbica” postula o lesbianismo como uma forma de existência a qual as mulheres devam aspirar, uma forma de subjetividade feminista. Dessa maneira o “lesbianismo político” presume o lesbianismo como algo que se almeja, e não uma coisa neutra ou meramente casual.

Uma hierarquia é propriamente definida como “um sistema ou organização em que pessoas ou grupos são classificadas umas sobre as outras de acordo com um status ou autoridade” [V]. Portanto, é inevitável que se crie uma hierarquia quando uma forma de expressão sexual é vista como melhor, mais esclarecida, ou mais eficaz politicamente do que outra. Através do estabelecimento dessa hierarquia, querendo ou não é gerada uma pressão para que uma mulher altere sua identidade sexual. A sugestão do aspecto positivo da mudança é inerente à ideia de que o lesbianismo é (politicamente) uma forma superior ou preposta de ser.

Exaltar o lesbianismo pelo viés da política feminista projeta uma visão fantasiosa sobre mulheres que são lésbicas independentemente de seu posicionamento político, abstraindo a experiência de mulheres que amam mulheres à ideia de que todas as lésbicas são feministas [VI]. Isso não é justo com as lésbicas que suportam o peso das expectativas irreais dessa teoria “política”. É também uma avaliação demonstravelmente falsa sobre o lesbianismo no mundo real. Há inúmeros exemplos de lésbicas que priorizam homens ao invés de mulheres, que são abusivas com outras mulheres, ou que não veem mulheres como pessoas oprimidas. Eu realmente não sei se “lésbicas políticas” apreciam certas realidades muitas vezes desagradáveis da comunidade lésbica, tanto nos dias de hoje quanto historicamente. Além disso, em alguns lugares do mundo, atualmente já é possível às lésbicas viver quase que inteiramente assimiladas às normas sociais. Enquanto lésbica, casada no estado do Massachusetts, mal consigo lembrar quando foi a última vez que alguém se incomodou com minhas demonstrações públicas de afeto. Ninguém se importa que eu seja lésbica, isso claramente não é uma ameaça à heterossexualidade deles nem qualquer outro motivo de mágoa.

Investir uma identidade “lésbica” como posicionamento numa guerra política contra o patriarcado torna o desejo de algumas mulheres em tentativa de retaliação de outras. O clássico texto “Woman Identified Woman” afirma que “a lésbica é a raiva de todas as mulheres condensada a ponto de explosão” [VII]. Essa definição usa o termo “lésbica” como mensagem direcionada aos homens, um insulto. É o absoluto oposto de como eu me sinto sobre minha companheira lésbica. Adotar a identidade de “lésbica política” como reação ao patriarcado não é uma expressão de amor ou desejo, tampouco é sobre mulheres, afinal. É fundamentalmente sobre homens; utiliza uma identidade para “radicalmente” transgredir as normas sociais da heterossexualidade. Nós não podemos usar uma identidade social para efetivar a “liberação'” tanto quanto não podemos transitar nas normas de gênero [genderfuck] para sobressair à dinâmica de poder do patriarcado. Nós precisamos mudar o próprio sistema, e não nossos comportamentos individuais ou nossas identidades inerentes a esse sistema.

O “lesbianismo político” tem um longo e característico histórico feminista. Algumas teóricas continuam argumentando que esse assunto merece um lugar na pauta “feminista radical”. Mas esse apelo à tradição não me convence. Identidade enquanto performance social não é politicamente eficiente porque é uma abordagem individualista a um problema sistêmico. O “lesbianismo político” nos orienta a entender o lesbianismo a partir da perspectiva de um observador externo: é essencialmente uma identidade social através da qual nós devemos subverter o paradigma heterossexual dominante. Mulheres que apoiam o “lesbianismo político” enquanto uma ação política eficaz permitiram que as políticas identitárias infectassem sua ideologia.

Eu me identifico como uma lésbica anti-lesbianismo-político.


Notas:
[I] Veja “I Say It, Therefore It Is”: http://rootveg.wordpress.com/2013/10/24/i-say-it-therefore-it-is-so/
[II] http://en.wikipedia.org/wiki/Handkerchief_code
[III] http://liberationcollective.wordpress.com/2013/05/20/socialization-matters-why-identity-libertarianism-is-failed-politics/
[IV] Compulsory Heterosexuality and the Lesbian Experience, por Adrienne Rich: http://www.terry.uga.edu/~dawndba/4500compulsoryhet.htm
[V] Pesquise no Google por “hierarquia”
[VI] “Lesbian and feminist are not synonyms, expanded”: http://revolutionarycombustion.wordpress.com/2012/08/08/lesbian-and-feminist-are-not-synonyms-expanded/
[VII] Woman Identified Woman: http://library.duke.edu/rubenstein/scriptorium/wlm/womid/

A verdade e a mentira

Traduzido com permissão da autora. Original em: Anntagonist

Recentemente, uma mulher na faculdade de artes associada à minha universidade se graduou com honras de primeira classe. A peça que ela apresentou no fim da apresentação dos graduandos incluía um vídeo que ela fez de si mesma se masturbando e várias fotografias ampliadas dela vestida com apetrechos de bondage fazendo atividades “femininas” cotidianas, como ler uma revista no sofá ou encher de roupa uma máquina de lavar. Eu poderia postar uma das fotos aqui mas nãao vejo nada nelas além de pornografia quando as olho, então não vou. Dois irmãos também ganharam honras de primeira classe com sua própria apresentação pornográfica. Sua exibição incluía sextoys transformados em instrumentos de tortura (imagine cabos de facas sendo substituídos por butt plugs e dildos transformados em nunchakus) e uma peça que foi supostamente retirada pelos organizadores da apresentação por violar normas de saúde e segurança.

Quase todos os grupos no Reino Unido dedicados a aumentar a conscientização e levar a violência contra mulheres a um fim concordam quanto aos males da pornografia. O Women’s Support Project descreve a pornografia como “uma forma de exploração sexual comercial e parte de um espectro de violência baseada gênero”. O Crown Prosecution Service inclui a pornografia numa lista de formas reconhecidas de violência contra mulheres e meninas. Não preciso ficar argumentando sobre o porquê de a pornografia ser violência contra mulheres nesse blog. Qualquer dissidente pode muito bem googlar informação, e pra facilitar as coisas pra você, te aponto na direção da Gail Dines e da Julia Long. Achei muito perturbador que minha universidade não apenas deu palco para pornógrafos mas também os recompensaou com a mais alta das distinções acadêmicas. Pornografia virou arte só porque os pornógrafos disseram que era?

Essa situação toda me fez querer consultar o Decreto de Direitos Civis da Dworkin e da MacKinnon novamente porque ele é lindamente sucinto. A definição comum de pornografia é comumente simplificada e sanitizada, algo como “imagens ou vídeos de pessoas fazendo sexo”. Dworkin e MacKinnon definem como “a subordinação sexual gráfica explícita de mulheres através de imagens ou palavras, incluindo mídia eletrônica ou outras formas de armazenamento”. Elas continuam o texto especificando atos de subordinação que incluem “a mostra de partes do corpo de mulheres, incluindo mas não se limitando a, seios, vaginas ou ânus, de modo que essas mulheres são reduzidas a estas partes”. Materiais onde mulheres são mostradas como “objetos desumanizados, coisas ou mercadorias”, ou “objetos sexuais que apreciam humilhação ou dor” também são classificados como pornografia no Decreto Antipornografia de Direitos Civis.

Isso me fez pensar em algumas coisas que se encaixam na categoria de pornografia se deconsiderarmos a parte “através de imagens ou palavras” do documento da Dworkin e da MacKinnon. A coisa recorrente pra mim é o conceito de transexualismo. Mais especificamente, homens que afirmam estarem presos no corpo errado e dizem que precisam de cirurgias para se sentir felizes consigo mesmos.

A idéia de que homens se tornam mulheres simplesmente vestindo roupas e atuando é ofensiva e danosa a mulheres da mesma forma que a pornografia o é. Transexuais homens que viram mulher se tornam mulheres primeiramente comecando a se vestir de uma maneira mais feminina e pedindo às pessoas que os tratem por pronomes femininos ou masculinos. Onde têm acesso, eles procuram tratamento hormonal que tem o efeito de feminizar suas características sexuais secundárias. Tecidos mamários vão começar a crescer; a gordura de seu corpo vai começar a ser redistribuída e seu corpo vai ficar mais curvilíneo como o de uma mulher; e sua pele vai afinar e se tornar mais macia.

Por si mesmo, isso é pornográfico. Mulheres são seres humanos. A função biológica dos nossos seios é alimentar nossas crianças. Mulheres não evoluíram para ter seios e assim nos tornarmos distintas dos (ou atrativas para) machos da espécie humana. Simplesmente pegar um homem e botar um par de seios nele não o torna uma mulher, e transexuais sabem que esse não é o único passo a ser dar. Alguns deles fazem o que é conhecido como cirurgia de feminização facial, que pode incluir alguns ou todos os procedimentos a seguir: rinoplastia, implante de bochechas, elevação da sobrancelha, aumento dos lábios, e redução da mandíbula.

O estágio final do processo de transição de transexuais homens que viram mulheres é o que é eufemisticamente conhecido como “cirurgia da parte de baixo”. Esse é o objetivo e é quando ele se torna uma mulher “de verdade”. O termo largamente aceito hoje em dia varia, mas é referida pelos nomes de cirurgia de redesignação sexual, cirurgia de redesignação de gênero, cirurgia de confirmação de gênero, e em relação a homens que viram mulheres especificamente, vaginoplastia. A cirurgia envolve remoção do tecido erétil do pênis para se fazer uma “área vestibular” e algo parecido com os pequenos lábios. A pele do pênis é desvirada e inserida numa cavidade cirurgicamente criada na área pélvica. Parte da glande do pênis, com os nervos ainda ligados nela, são mantidos e usados para formar o que supostamente nós deveríamos chamar de clitóris, e a uretra é encurtada pra terminar mais ou menos onde a uretra de uma mulher terminaria. De acordo com a Dickipedia, o propósito dessa cirurgia é “remodelar os genitais masculinos de forma que tenham a aparência de, e se possível, a função de uma genitália feminina”.

Se você clicar no link “genitália feminina” ele vai te levar adivinha onde? Ao sistema reprodutor feminino. Note que a vagina é apenas uma parte de todo um conjunto de órgãos que compõem o sistema reprodutor feminino. Todas essas partes dependem uma da outra para funcionar do melhor modo. Os ovários são os órgãos que produzem os óvulos. Essa é sua função. São conectados ao útero, que é o maior órgão sexual do sistema reprodutor feminino, através de ovidutos conhecidos como tubas de Falópio. A função do útero é acolher o óvulo fertilizado. Ele é conectado à vagina, que a Dickipedia diz que tem duas funções primárias: intercurso sexual e parto.

A cirurgia de redesignação de sexo não pode fazer transplante de útero e ovários. No livro “The Whole Woman”, Germaine Greer sugere que

Governos que têm poucas mulheres se apressaram a reconhecer como mulheres homens que acreditam que são mulheres e que se castraram para provar isso, porque não vêem mulheres como um outro sexo, mas como um não-sexo. Nenhum procedimento chamado de mudança de sexo jamais requereu um transplante de útero e ovários; se transplantes de útero e ovários fossem obrigatórios a estes aspirantes a mulheres ele desapareceriam do dia pra noite. A insistência de que homens transformados em mulheres sejam aceitos como mulheres é a aceitação institucional da convicção errônea de que mulheres são homens incompletos.

A cirurgia de mudança de sexo pode apenas tentar replicar a forma de um dos órgãos sexuais feminos: a vagina. E como não há transplante de útero e ovários, ela só consegue replicar uma das funções da vagina: o intercurso sexual. A nova vagina não é mais que um buraco para meter. Existe somente para ser penetrada. De fato, a nova “mulher” deve penetrar sua cavidade cirurgicamente criada todos os dias se não quer que ela feche. A criaçãao do buraco de meter requer um monte de cuidados pós-operatórios. Por volta do terceiro dia depois da cirurgia, esse processo de dilatação tem que começar. E ele vai continuar pelo resto da vida do paciente. Se a pessoa não se empenha nessa rotina de dilatação, há o risco de a nova vagina fechar devido à tentativa dos músculos pélvicos de se restaurarem. E também, é repugnante, a nova vagina junta rugas quando não dilatada. Se se demora muito entre as sessões de penetração, as rugas começam a se colar e cicatrizar, estreitando a largura e o comprimento do canal vaginal. En torno de quatro semanas depois da cirurgia, a nova mulher é aconselhada a fazer lavagens internas com folha de hibisco depois de cada sessão de dilatação e toda vez que sentar no vaso sanitário.

Tudo isso apenas para que eles possam ter algo que parece um pouquinho com uma vulva e serve ao propósito de se manter intercursos sexuais. Uma mulher de verdade geralmente precisa fazer muito pouco para cuidar de sua vagina. Claro, ela vai lavar os lábios com água e sabão, mas o canal vaginal é auto limpante. Uma vagina real não termina abruptamente onde a escavação cirúrgica é considerada completa; uma vagina real é conectada ao útero pelo colo do útero. Este por sua vez é capaz de se dilatar para permitir a passagem da cabeça do bebê.

Se o ato de escavar um buraco no assoalho pélvico, virar um pênis do avesso, chamar isso de vagina e o portador disso de mulher não é representar as mulheres como coisas desumanizadas, objetos ou mercadorias, então eu não sei o que é. Isso coloca a mulheridade como algo que se pode comprar. Algo que, com similares das partes certas, qualquer homem pode ser.

Credita-se a John Stoltenberg a famosa frase “A pornografia diz mentiras sobre as mulheres. Mas a pornografia diz a verdade sobre os homens”. A pornografia nos diz o que mulheres são, como Robert Jensen nos diz, “três buracos e duas mãos”. Ela nos diz que mulheres são receptivas à dor e degradação e até gostam disso. Ela também diz que os homens nos odeiam. Ela nos diz que eles querem meter em cada orifício do nosso corpo. Que eles querem nos humilhar e nos torturar. Querem nos possuir, nos vender, nos trocar, e nos partilhar entre seus amigos.

Transexualismo não é muito diferente. O Transexualismo reforça a noção de que mulheres existem para serem penetradas e que a habilidade de ser penetrada é uma parte integral e definidora da mulheridade. É literalmente pornografia em quatro dimensões.

O transexualismo conta mentiras sobre as mulheres. Mas ele diz a verdade sobre os homens. O transexualismo nos diz que mulheres são nada menos que homens castrados. Ele diz que “mulheres” passam por cenários de dor e humilhação de modo a torná-las penetráveis. Sobre os homens, ele diz que eles não podem ser satisfeitos apenas nos fodendo. Pra nos consumir completamente, é preciso que eles se tornem mulheres e nos digam o que nós somos.


*Estou usando o termo transexual/ismo aqui pra me referenciar não à galera do gender-bending uau-olha-só-meu-pau-feminino, mas a homens que dizem que nasceram no corpo físico errado e vão atrás de mudá-lo através de cirurgia e terapia de reposição hormonal. Trangeneridade é um conceito que afeta mulheres de formas diferentes — algo que planejo discutir futuramente.